• claudio cas

Sobreviver olhando para dentro

As organizações privadas tradicionais surgiram para suprir certas necessidades de quantidade, evoluíram para qualidade e depois para criar demandas necessárias para a sua sobrevivência financeira.


Foi a forma percebida para sobreviver olhando para dentro.


Surgem organizações olhando para fora, para as dores existentes e criam soluções para elas, crescem e perdem como perderam-se as organizações tradicionais na sobrevivência financeira, passando a criar demandas paliativas.


Intercalando este processo existem empresas que fica-se nas demandas, nas dores e permanecem fiel a este princípio, assim surge a RSE, surgem as startups, surge a ESG.


Mas as organizações em fase de sobrevivência apropriam-se destas ideias para a sua sobrevivência, destas e das tendências que surgem como possíveis fôlegos, mas paliativos são, pelo fato da organização ter acomodado-se no modo sobrevivência.


É possível existir organizações com conteúdo, que enxerguem que estão entrando no modo sobrevivência financeira e optem por outro caminho, com certeza, mas a jornada nova sempre será mais árdua do que o modo sobrevivência.


Uma opção é a compreensão de que após a demanda/dores sanadas, ou ela identifica novas, adapta-se, ou cria novas (modo sobrevivência) ou compreende o fim do seu ciclo.


By CAS

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Talvez nunca nos libertemos da prisão da ignorância, mas isto não pode nos impedir de seguir tentando. By CAS

Aceitar a prisão da ignorância é não ousar fazer as perguntas necessárias. By CAS

A ignorância é uma prisão que muitos nunca enxergam dela, as grades. Então confortavelmente vivem presos na desconhecida ignorância. By CAS